quarta-feira

música

tocar fogo nos próprios cabelos
ao som de uma música
de haendel

tocar fuga aos quatro ventos
tilintando oratórios e cervejas
num bar

blandir bandolins
numa tarde infinitiva sobre o mar

(oxum cantará para me proteger)

repetir este brilho
aos dedos e raios
dansantes de iansã

pois choverá a cântaros

Um comentário:

Caverna disse...

Sua poesia é de um humor contagiante, pega na veia, de ossatura dura. Parabéns por essa nova versão do blog, super. Acabo de fazer um blog onde estão alguns poemas. Gostaria de saber o que você acha dos poemas. Breve escreverei sobre a poesia de leo Gonçalves, renato Negrão, Bruno Brum e Makely. Abraço do Caverna.