sexta-feira

a morte de josé agrippino de paula

1967 foi um ano chave. glauber rocha lançava terra em transe. zé celso martinez entrava em cartaz no teatro oficina com o rei da vela de oswald de andrade. a tropicália a toda. na literatura: josé agripino de paula lançava o seu panamérica. caetano na vitrola: "panaméricas de áfricas utópicas/túmulo do samba mais possível/novo kilombo de zumbi"

passaram-se 40 anos. o teatro oficina do zé celso continua sua luta pela sobrevivência num país que é ainda o túmulo do samba mais possível. e do samba menos possível também.

passaram-se 40 anos e josé agrippino passa dessa para uma melhor. falecido em 04 de julho. sem louros, sem reconhecimento que valha os 40 anos de sua panamérica. silencioso. uma pena. o tempo passa, e a terra continua em transe.

me faz pensar em pound:

"os artistas são as antenas; um animal que negligencia os avisos de suas percepções necessita de enormes poderes de resistência para sobreviver.

os nossos mais delicados sentidos estão protegidos, o olho por um alvéolo ósseo, etc.

uma nação que negligencia as percepções de seus artistas entra em declínio. depois de um certo tempo ela cessa de agir e apenas sobrevive".

josé agrippino é mais uma grande mente que se vai. não foi compreendido, mas deixa discípulos.
boa viagem, agrippino.

Um comentário:

letícia disse...

putz, leo. tava sabendo do zé agrippino não. enfim, a vida é esta: uns nascem e outros morrem em quatro de julho. inquieta pensar que este mundo está cada vez menos povoado de escritores. beijo.